sábado, junho 14, 2008

Negócios vegetarianos

Por Jaqueline B. Ramos*

É perfeito. Imagine fazer do vegetarianismo também o foco de sua atividade profissional, seja abrindo um negócio ou trabalhando como prestador de serviços. Ser um empreendedor vegetariano aplicando aquilo o que acredita em restaurantes, lojas de produtos naturais, serviços de buffet, marmitas e congelados, marcas de roupas, produtos de higiene artesanais, entre outras atividades. Agora não imagine apenas. Saiba que muitos vegetarianos já fazem isso e aliam um trabalho sustentável – para não dizer lucrativo, no bom sentido da palavra – com o prazer de difundir práticas de respeito, proteção e libertação animal.

“Nosso público é crescente e podemos dizer que o negócio é lucrativo. Mas também trabalhamos muito. A gente respira isso aqui e somos essencialmente cozinheiros, criando cardápios diferentes todos os dias e primando pela qualidade. E a maior compensação é ver como ajudamos a transformar as pessoas. Muitos se tornam vegetarianos depois de freqüentarem o restaurante”, conta o carioca José Roberto Machado, que junto com sua esposa, Maria Lúcia Moreira Machado, comanda, há três anos, o restaurante Caminho do Mar, localizado no Recreio, no melhor estilo entre mar e montanhas na cidade do Rio de Janeiro.

Zé Roberto e Maria Lucia são casados há 18 anos e veganos há pelo menos uns 15. Empreendedores natos, anteriormente ao restaurante situado a uma quadra da praia tiveram outros restaurantes, uma lanchonete e até uma padaria vegana em diferentes bairros cariocas. E segundo Zé Roberto, todos os estabelecimentos “bombaram”. O casal resolveu partir para o novo negócio porque não resistiu à oportunidade de montar um restaurante justamente tão próximo do mar e da montanha.

“Nosso público é bastante diversificado, de surfistas a artistas, inclusive muita gente de fora do Rio, que está na cidade a passeio ou a trabalho. Abrimos de domingo a domingo, faça chuva ou faça sol, e isso é uma marca da casa. Na verdade nossa melhor propaganda sempre foi o boca-a-boca. Aliás, essa é a melhor maneira de disseminar o vegetarianismo”, diz Zé Roberto, que também dá cursos de culinária na casa de pessoas que desejam adequar seus cardápios diários para uma dieta mais saudável.

O atendimento a um número significativo de onívoros e a oportunidade de passar a mensagem do vegetarianismo e demonstrar, na prática, o quanto os pratos sem ingredientes animais são saborosos e acessíveis são pontos comuns citados por donos de restaurantes vegetarianos. “Posso afirmar que 80% das pessoas que freqüentam o restaurante no horário de almoço não são vegetarianas. Nossa idéia é servir as refeições, ensinar as pessoas sobre veganismo e, acima de tudo, oferecer um ambiente onde elas se sintam bem. A força motriz do nosso negócio é a compaixão pelos animais e isso é o que nos impulsiona e dá prazer”, explica Paulo César Alves Nakashima, proprietário do badalado Lar Vegetariano Vegan, localizado no bairro da Lapa, em São Paulo.

O Lar Vegetariano Vegan já é conhecido do público vegano paulistano pelas noites especiais de sexta e sábado (vegan party e pizza vegana) e pela entrega a domicílio de pizzas veganas nos finais de semana. Para conseguir entrar na casa na noite de sábado, por exemplo, só é possível com reserva, o que demonstra o sucesso do negócio. Paulo e a esposa, Ivonete do Amaral Diaz Nakashima, abriram o restaurante na Lapa em setembro de 2005. Veganos há oito anos, tiveram experiências anteriormente com um outro restaurante vegetariano e com a produção de congelados.

“Abrimos o Lar a partir do que vivenciamos e de conversas com muitas pessoas que conhecemos, priorizando sempre pela qualidade e o oferecimento de serviços e produtos diferenciados. Felizmente o retorno tem sido muito bom, o que mostra que o público é crescente, o negócio é próspero. No momento estamos quitando as últimas dívidas, pois acabamos abrindo o restaurante praticamente sem capital de giro, o que foi extremamente difícil. Aliás, se puder dar um conselho para um futuro empreendedor, diria que separar a reserva é essencial na abertura do negócio”, ressalta Paulo.

Negócio e militância

O planejamento financeiro ressaltado por Paulo é, sem sombra de dúvidas, um ponto importantíssimo a ser considerado para abertura de qualquer novo estabelecimento por um pequeno empresário. E para o “empreendedor vegetariano”, soma-se a isso o dever moral de aliar negócios e militância, oferecendo, como uma espécie de brinde, informação diferenciada que agregue valor ao produto vendido ou serviço prestado. A história e o conceito por trás de “O TAO Natural”, um serviço de delivery de produtos vegetarianos, integrais e orgânicos em São Paulo, demonstra bem essa idéia.

“A nossa maior motivação é a possibilidade de ganhar dinheiro e o nosso sustento com algo que beneficia as pessoas. O TAO certamente é um comércio, mas também é uma militância, pois nos colocamos à disposição dos clientes e interessados para enviar receitas e esclarecer, dentro das nossas possibilidades, dúvidas sobre alimentação vegetariana. Principalmente aquele questionamento básico sobre reposição de proteína e ferro para quem está no momento de transição de dieta”, conta Adriana Gomes Guimarães, que toca o serviço de entregas dos produtos juntamente com o marido, Emerson Marinheiro, ambos ovo-lacto vegetarianos há seis anos.

“O TAO Natural” funciona há nove meses e já tem um público formado por vegetarianos, naturalistas, pessoas com problemas de saúde que precisam mudar a dieta, pais e mães preocupados com a saúde dos filhos e atletas – estes, aliás, formam um novo segmento muito importante para o negócio, segundo Adriana. O serviço de entregas a domicílio consiste na primeira experiência de empreendedorismo do casal – ela é profissional da área de Relações Públicas e ele, professor de Educação Física - e foi elaborado e implementado de maneira bastante cuidadosa e gradual. Tanto que os dois continuam com seus trabalhos originais e estão aos poucos, de acordo com o crescimento do negócio, migrando parte do seu tempo para o serviço.

“Estudamos apostilas do Sebrae, fizemos pesquisas de mercado e decidimos abrir algo que não requereu grande investimento, até porque não dispúnhamos de grande capital. Hoje já temos um lucro que faz o negócio valer a pena, apesar de ainda não podermos deixar nossos trabalhos paralelos. Mas acreditamos que conseguiremos fazer com que o TAO seja uma das nossas duas principais fontes de renda, com dedicação integral minha ou do meu marido, no prazo de 18 a 24 meses”, prevê Adriana.

A migração de um trabalho formal para um “empreendedorismo vegetariano” perseguida pelos donos de “O TAO Natural” é a base da história da Vegmatula, um serviço de entregas de marmitas veganas na área do bairro Vila Mariana, em São Paulo. André Cantu sempre fez suas experimentações na cozinha, mesmo antes de se tornar vegetariano, em 1999 (é vegano há dois anos). Forças do destino o levaram a trabalhar durante 16 anos na Eletropaulo e ao longo do tempo a motivação por fazer o que realmente gostava foi crescendo. O emprego público deu condições de André investir na montagem de uma cozinha industrial e em um curso técnico de nutrição na Fundação Getúlio Vargas. Até que em dezembro de 2007 ele se desligou da empresa e em janeiro deu início às atividades da Vegmatula com a esposa, Maria Del Pilar.

“É uma responsabilidade muito grande fazer comida vegetariana de qualidade, principalmente para atender o público onívoro. Atendemos muita gente que está em transição de dieta, que quer se alimentar melhor ou que está preocupada com o meio ambiente. E aí busca respostas no vegetarianismo”, conta André. “Nosso desafio maior é preparar um cardápio variado e saboroso, com pratos diferentes a cada dia. Para tal variamos nos temperos, usamos nossa receita de massa caseira vegana e “queimamos” os miolos para ser criativos. No final do dia estamos extremamente cansados, mas também extremamente gratos.”

Outro motivo de satisfação para os donos da Vegmatula é o sistema de entrega adotado: bicicletas. Dois entregadores – um vegano e um em vias de se tornar – pedalam das 11h às 13h levando as delícias veganas pela Vila Mariana e arredores de segunda à sexta de forma ambientalmente correta. “Por experiência própria e conversando com amigos percebi que existia demanda por marmitas veganas. E nesses poucos meses de trabalho já atestamos que há mesmo, que o negócio é viável. Tanto que não damos conta de entregar para todos que gostariam de receber. Fica aí o recado: há mercado para todo mundo e a concorrência é muito bem-vinda, principalmente para o vegetarianismo”, conclui André.

Sem CNPJ

Há também histórias que podemos chamar de “empreendedorismo sem CNPJ”, de vegetarianos que desenvolviam seus talentos como ativistas e que, com o passar do tempo, transformaram esse dom também na base de seu sustento através de trabalhos autônomos. É o caso da paulistana Luisa Pereira Santos, conhecida por suas camisetas e adesivos com mensagens e pelos sabonetes artesanais 100% vegetais. Luisa, vegetariana há nove anos e vegana há seis, começou a fazer camisetas como fonte de arrecadação de fundos para atividades sociais e de divulgação do veganismo.

“Com o tempo as pessoas começaram a encomendar os produtos e me dei conta que poderia fazer dessa atividade também a minha fonte de renda. Passei então a dedicar mais tempo ao veganismo, unindo o útil ao agradável. Faço minhas coisas em casa e a maior parte das vendas é pela internet e em eventos, além de alguns restaurantes e uma loja em São Paulo. Não tenho planos de abrir uma empresa ou coisa do gênero”, afirma Luisa, que criou a marca Bhumi (em sânscrito, a personificação do Planeta Terra) para batizar seus produtos – 25 tipos de camisetas, 15 de adesivos e 12 sabonetes de diferentes aromas, que produz e vende desde 2003.

Os planos de Luisa é investir mais na divulgação dos produtos pelo site e desenvolver novas estampas para camisetas. Num estilo parecido de trabalho autônomo, o também paulistano Lila Prasada é pau para toda obra quando o assunto é buffets e serviços de comida vegetariana para festas e eventos. Lacto-vegetariano há 15 anos, Lila começou a cozinhar há 11 em um templo Hare Krishna. E não parou mais. Descobriu que sua praia era alimentação sem carne e ao longo da última década já cozinhou em eventos diversos, indo da Verdurada e raves até encontros como o Fórum Social Mundial e almoços beneficentes, passando também pela produção de marmitas, congelados e até uma lanchonete vegana bem popular que teve no bairro do Braz, em São Paulo.

“A demanda por esse tipo de serviço é muito grande e é um mercado muito promissor. Sou bastante flexível e vou atendendo os clientes de acordo com o que precisam. Já cheguei a fazer três mil refeições por dia”, conta Lila, ressaltando que é uma atividade muito gratificante, mas também muito trabalhosa. “É importante que quem se interessa em trabalhar nesse ramo se informe, pesquise e estude. Como eu mesmo administro a prestação de serviços e coordeno um perfil de equipe para me ajudar dependendo de trabalho encomendado, já fiz curso de gestão na área de alimentação e, sempre que posso, vou a feira de alimentos para me atualizar das novidades”.

Da moda urbana ao campo

Pegando o gancho em raves e no público jovem, outra vegana coloca suas idéias em prática no seu negócio. Só que na área de moda. Ana Carolina Caliman, vegana há 12 anos, é uma das proprietárias da grife paulistana King 55, que tem três lojas na cidade e multimarcas que revendem suas peças no Brasil inteiro. O estilo é jovem com uma atitude rock e atual e uma linguagem mais street. A filosofia: o respeito aos animais e ao meio ambiente.

“Estamos sempre tentando inovar e procurando mais opções para substituir matérias-primas de origem animal. Às vezes deixamos de produzir e vender alguns produtos pela falta de materiais alternativos de qualidade, mas nem por isso deixamos de seguir nossos princípios. Nossos vendedores são treinados e no atendimento ao cliente sempre explicamos a filosofia da marca e o porquê do desenvolvimento de produtos sem crueldade”, revela Ana Carolina dando também como exemplo de diferencial da King 55 o fato da lavanderia onde se lavam os jeans e produtos diferenciados ser totalmente ecológica (com captação de água de chuva e reutilização).

Ana toca a King 55 desde meados de 2001 e a loja consiste na sua primeira experiência como empreendedora. Ela divide a sociedade do negócio com seu irmão, também vegano, o pai, que têm experiência de 20 anos no ramo de confecção, e a madrasta. Por ser dona da marca, já passou pela área financeira, de vendas e de gerenciamento de pedidos e hoje se dedica mais ao desenvolvimento de produtos. “Nossos clientes são pessoas que gostam de produtos diferenciados. A preocupação com meio ambiente e com os animais é algo natural e faz parte do DNA da marca. A empresa tem um formato pequeno e não tem intenção de crescer muito, para não perder a autenticidade e a personalidade que tem hoje”, conta.

Dando um salto de cenários, da moda urbana paulistana para os campos sulinos, um outro estilo de negócio também trabalha, entre outras idéias, com a crença de que o homem não deve causar sofrimento aos animais se não quer sentir dor. Trata-se da produção agroecológica de frutas, legumes e verduras e a empreendedora é a engenheira agrônoma Silvana Beatriz Boher, proprietária do Sítio Capororoca, localizado na área rural da cidade de Porto Alegre.

Vegetariana há quatro anos e agroecologista há 10, Silvana desenvolve as atividades no sítio desde 2001. Além do cultivo dos vegetais, com destaque para o de plantas comestíveis não convencionais, também tem uma agroindústria caseira para produção de geléias, compotas, conservas e pães, que são comercializados nas feiras ecológicas da cidade. “Além disso, trabalhamos com turismo rural, recebendo estudantes universitários para estagiar e turistas que desejam conhecer o funcionamento de uma propriedade agroecológica”, conta. “Apesar de ser uma atividade recente, a aceitação é muito boa. Ficamos surpresos com o grande número de pessoas não vegetarianas que nos visitam e expressam muita satisfação ao descobrir que é possível ter uma boa e saborosa refeição sem carne.”

Silvana explica que não houve uma preparação específica para o desenvolvimento de suas atividades e que tudo foi acontecendo como uma reação em cadeia. A maior motivação foi poder trabalhar com produtos mais saudáveis sem agredir o meio ambiente e respeitando os animais, morar no próprio local de trabalho e ter uma melhor qualidade de vida. E qualidade de vida, para um empreendedor vegetariano, está diretamente ligada à possibilidade de combinar trabalho, sustento e prazer de educar, disponibilizar informação e ser exemplo para uma conduta mais ética em relação aos seus semelhantes.

“Quando nos tornamos vegetarianos, direta e indiretamente mostramos a outras pessoas as vantagens da nossa conduta, tanto no que se refere ao consumo de alimentos mais saudáveis quanto à questão ética de não causar dor e sofrimento aos animais. O trabalho com plantas não convencionais abre um leque de alternativas alimentares baratas, de fácil obtenção, nutritivas e saborosas. Os grupos que vêm ao sítio passam a ter uma outra idéia sobre a natureza, a forma de preservá-la e a possibilidade de usufruí-la com o menor impacto possível”, conclui Silvana.

Dicas na hora de montar seu negócio

Gustavo Carrer, consultor de marketing do Sebrae-SP, tem mais de 10 anos de experiência com empresas de pequeno porte que atendem nichos específicos do mercado. Sobre o “empreendedorismo vegetariano”, o consultor tem algumas dicas aplicáveis aos que já são ou pensam em ser empresários focando em produtos ou serviços especializados.

Primeiramente, segundo o consultor, o empresário do ramo vegetariano deve ter como objetivo o atendimento do público que já é consciente e adepto da dieta. “É importante focar em atender bem quem já é vegetariano, o seu público-alvo. Pode-se fazer alguma campanha e passar informações visando a conscientização de outras pessoas, mas isso não pode ser mais importante do que a prestação do serviço ou a venda do produto, do contrário pode se perder o foco e o negócio se tornar insustentável”, diz.

Outra questão ressaltada por Gustavo é não ser radical a ponto de não atender não-vegetarianos – felizmente já vemos que isso não acontece, visto as histórias contadas na matéria. “Entender a natureza e os anseios do público, do vegetariano ao onívoro simpatizante, um comprador sazonal, é essencial para o sucesso do negócio. Aliás, uma das vantagens de um pequeno negócio direcionado a um nicho é o fato do empresário poder estar muito próximo do consumidor, entendendo suas demandas e adequando sua gestão para melhor atendê-lo”.

Outra vantagem ressaltada pelo consultor é a possibilidade de concentração de esforço – leia-se tempo e dinheiro – num mix de produtos e serviços com perfil específico, evitando gasto de energia que seria necessário para atender um público muito diversificado. “Mesmo assim é importante crescer com cuidado. A atividade que é de nicho exige que o empresário tenha um ciclo de atenção maior com os clientes. Como o público, em número de pessoas, tende a ser menor, uma falha pode colocar a perder todo o negócio. A tolerância do público é muito menor com as empresas menores”, completa.

Serviço

• Restaurante Caminho do Mar
Tel.: (21) 3413 0483

• Restaurante Lar Vegetariano Vegan
www.larvegetarianovegan.com.br
Tel.: (11) 3835 2490

• O TAO Natural (entrega de produtos vegetarianos e naturais)
www.otaonatural.com.br
Tel.: (11) 9825 6298

• Vegmatula (marmitas e congelados)
http://acantu.sites.uol.com.br
Tel.: (11) 5579 2273

• Bhumi (camisetas, adesivos e sabonetes 100% vegetais)
www.colchaderetalhos.net
Tels.: (11) 3205 4914, 9466 6806

• Buffets e Festas vegetarianos/veganos
Lilá Prasada
(11) 9530 9561

• King 55 (roupas / moda)
www.king55.com.br
Tels.: (11) 3083 1151, 3045 2654

• Sítio Capororoca (produtos agroecológicos)
www.caminhosrurais.tur.br
Tel.: (51) 3258 5607
* Publicado na Revista dos Vegetarianos, n. 20, junho 2008. Veja a edição completa aqui.

Um comentário:

Marinheiro disse...

Olá Obrigado pela confiança no O TAO Natural.
Abraços Emerson